blog
amo branding

Conteúdo no Branding Digital: o inspirador case Comidinhas da Diana

31 de outubro de 2017

No branding, estratégias e teorias ajudam muito, mas não há nada como contar histórias reais inspiradoras que têm o posicionamento de imagem – intencional ou casual – como grande trunfo do sucesso. Poder aprender com os cases alheios (nunca copiando, por favor! apenas aprendendo e levando as dicas para o seu universo) garante um caminho mais curto e eficiente rumo a suas metas. E, pode apostar, é possível tirar ensinamentos mesmo de negócios aparentemente 100% diferentes do seu. Valores, métodos e hábitos de base, no branding, são surpreendentemente semelhantes nos mais diversos mercados.

O case deste post merece toda a sua atenção no que diz respeito a comunicação digital. A marca surgiu de um interesse/necessidade pessoal da fundadora, encontrou um público com os mesmos interesses/necessidades e com base sobretudo no bom senso traçou e vem traçando uma caminhada repleta de acertos e ótimos resultados. O perfil Comidinhas da Diana, criado por Fernanda Fontoura em 2015, mostra pratinhos balanceados (e lindos) + receitas para crianças desde a introdução alimentar. Em dois anos e meio, ela já soma quase 200 mil seguidores: e vale reforçar que são seguidores reais, interessados e engajados (pois números digitais, hoje em dia, nem sempre têm esse lastro). Da marca digital fortalecida, surgiu a ideia de vender livros físicos, que foram criados, produzidos e até bem pouco tempo atrás enviados pessoalmente pela autora. O resultado? Mais de 30 mil unidades comercializadas e um faturamento que, segundo palavras da Fer, “mudou a vida”.

Como o case Comidinhas da Diana seria um dos apresentados nesta manhã durante o encontro Amo Branding – módulo Branding nas Mídias Digitais, bati um papo com ela para ter mais detalhes e o resultado dessa conversa deliciosa você lê aqui embaixo. Acredite: a sua necessidade de conteúdo é também o desejo de conteúdo de outras pessoas. “Escreva o livro que você quer ler” é sempre a melhor definição sobre criação de marcas de conteúdo! Inspire-se…

Comdinhas da Diana

Você conta que sempre gostou de cozinhar, mas isso se tornou sua marca depois do nascimento da sua filha. Por que resolveu compartilhar esse conteúdo na internet, como surgiu o Comidinhas da Diana?
Tudo começou porque eu mesma me surpreendia com o quão bonitos ficavam os pratinhos da Diana. Comecei compartilhando no meu perfil pessoal e, como ficava cada vez mais frequente, me preocupei que talvez meus amigos e familiares que não estivessem nessa mesma fase da vida pudessem se incomodar com uma abordagem frequente. Foi quando decidi criar um perfil exclusivo para as comidinhas da Diana.

Existe uma frase que diz “Escreva o livro que você quer ler.”. Você acredita que esse foi o ponto de partida e o segredo do sucesso da sua marca?
Para ser muitíssimo sincera, até hoje me surpreendo com a proporção que o Comidinhas da Diana tomou. Não havia a intenção de ser uma marca e muito menos ser uma marca de sucesso. Foi realmente muito desproposital compartilhar a alimentação da minha filha. Acho que minha consciência de que poderia ser algo comercial foi quando a primeira loja entrou em contato para uma parceria. Acredito que ali comecei a pensar nisso.

O primeiro livro também foi uma aposta pessoal, na qual você embarcou e investiu em um projeto independente. Havia a demanda dos seus seguidores para o produto ou foi uma iniciativa pessoal? De onde veio o pontapé para desenvolver o projeto por sua conta?
A ideia do livro partiu dos seguidores da época, pois o Comidinhas da Diana não tinha a pretensão de ser fonte de receitas, apenas de inspirar as pessoas através dos pratinhos – mais forte objetivo ainda hoje. As receitas foram consequência do conteúdo postado. Apostei no primeiro livrinho sem sequer ter verba para produzi-lo. Abri a pré-venda e foi um sucesso: em 4 dias eu tinha vendido o primeiro milheiro e pude então pagar os custos.

Boa parte do conteúdo dos livros pode ser encontrada gratuitamente nas suas redes e isso jamais impediu que eles fossem um fenômeno de vendas. Quanto deste resultado você credita ao fato de ter criado uma marca forte, com posicionamento bem alinhado e sobretudo relacionamento com seu público?
Esse é o forte do Comidinhas da Diana e o que mais me dá resultado: o compartilhamento gratuito do conteúdo. Isso porque a receita compartilhada permite que as pessoas testem e comprovem que de fato são fáceis e gostosas, que agradam bebês, crianças e adultos. Os seguidores então desejam ter o material com as receitas impressas pela facilidade de ter sempre à mão. Além disso, por todo o conteúdo que eu compartilho com o intuito de melhorar a alimentação das pessoas, elas acabam tendo empatia e gratidão pelo meu trabalho – e adquirem os livrinhos até como agradecimento, incentivo e apoio. Acredito que seja uma troca muito positiva para ambas as partes!

Você parece ser do tipo que “joga nas onze posições”! Suas imagens são lindas e esteticamente caprichadas, o conteúdo é super bem cuidado, você interage diariamente com seus seguidores e cuida pessoalmente do envio dos milhares de livrinhos vendidos. Acredita que este controle em cada etapa ajuda no fortalecimento da marca?
Há pouco tempo comecei a ter ajuda na logística dos pedidos, considerando a demanda que cresce, mas até onde consegui sempre fiz tudo sozinha. A parte do instagram realmente não vejo como terceirizar: é muito a minha rotina e a nossa vida mesmo. Os pratinhos são postados quase que em tempo real e tenho muito prazer no que faço. A terceirização perderia toda a essência de mostrar a nossa casa, a nossa cozinha. Percebo que as pessoas valorizam esse empenho e dedicação e é um fator positivo: saber que fui eu mesma que embalei o pedido traz todo um carinho extra.

Sei que além dos livros dá cursos e palestras também. Quais são hoje as fontes de faturamento da marca?
O faturamento principal fica por conta da venda dos livrinhos. Os cursos e palestras ainda são eventuais porque demandam disponibilidade de tempo que ainda preciso gerenciar melhor.

Cada aspecto é impecável. Quanto de estratégia de branding e quanto de “apenas o bom senso” existiu no seu processo de construção de marca?
Nunca tive assessoria de branding e foi tudo no feeling mesmo: percebo o que as pessoas gostam, tomo muito cuidado em não interferir na área dos profissionais da saúde (e com isso tenho total apoio e indicação deles), dedico-me ao conteúdo frequente e à imagem, que são caseiras e de celular mesmo, mas com um cuidado.

Quais os próximos passos da marca Comidinhas da Diana, o que podemos esperar?!
Em breve lançarei meu aplicativo e os planos futuros incluem o lançamento de um novo livro no primeiro trimestre de 2018, além de um canal no Youtube com produção bacana. No mais, muitas receitinhas novas e conteúdo de qualidade.

Comdinhas da Diana
Fer Fontoura e os livrinhos com a marca Comidinhas da Diana

Muito obrigada por dividir sua experiência aqui, Fer! Que o Comidinhas da Diana (link para o insta aqui!) continue nos inspirando mais e mais.

 

p.s. E dia 21.11 tem o último módulo dos encontros Amo Branding neste ano, com o tema “Por Quê: o Propósito de Sua Marca”. Vamos conversar sobre a importância do autoconhecimento na construção de um posicionamento de imagem, com cases reais de marcas e profissionais que usam o propósito como ponto de partida do branding e têm na alma seu melhor segredo de sucesso. As inscrições começam no dia 6.11 no link http://ale.ag/amobranding17.

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

Estudo de caso de branding pessoal: a vegana Alana Rox

5 de janeiro de 2017

O ápice de uma marca pessoal bem posicionada é quando o indivíduo vira uma espécie de sinônimo de sua especialidade. O primeiro nome lembrado, o expert, a referência. É quando ele se apodera de seu nicho, se tornando “dono” dele. O efeito? Um profissional à prova de concorrência, com demanda ininterrupta – afinal, mesmo em um mercado como o de remédios, com genéricos legalizados, a procura pelos originais sempre terá espaço de destaque e preferência.

A introdução é para apresentar o recente case de Alana Rox, dona da O Diário de uma Vegana, marca que tem redes sociais, livro e programa de TV. Alana vem cada vez mais sendo uma referência quando se fala de alimentação vegana para um público leigo. Pouco a pouco, aumenta seu alcance e engajemento, de forma orgânica, bastante natural. O segredo do posicionamento bem feito? O cuidado com cinco fatores fundamentais no branding pessoal.

branding pessoal Alana Rox

FOCO: MERGULHE EM UM NICHO DE POSICIONAMENTO
Se você quer vender tudo para todo mundo, pode acabar não vendendo nada para ninguém. O nicho facilita a diferenciação, reduz a concorrência direta e fortalece a especialidade, além de ajudar a ter uma história para contar – ideia número um do branding. Alana se posiciona dentro do veganismo com um estilo de vida natural e saudável, didático, fácil e acessível a leigos.

A HISTÓRIA POR TRÁS DA MARCA
Saber por que você escolheu determinado nicho e ter uma narrativa – VERDADEIRA! – por trás da escolha são pré-requisitos para uma marca pessoal forte. Alana conta dos efeitos positivos do veganismo em sua vida, sendo a melhor garota-propaganda do estilo que prega. Ao compartilhar como a alimentação trouxe mudanças em sua saúde, traz para perto pessoas que se identificam com a história. Além, é claro, de fortalecer a coerência em tudo que faz.

ATENÇÃO À IMAGEM
Não é superficialidade: todos tiram conclusões com base no que os olhos veem. Ao pregar um estilo saudável, é importante que Alana represente o que afirma – pele e cabelos bem tratatos, por exemplo. Além da coerência com o nicho, a boa imagem também ajuda na primeira impressão em geral. Não se trata de beleza ou determinados padrões, a questão é em torno de cuidado pessoal e adequação ao conjunto.

A COMUNICAÇÃO QUE APROXIMA
Redes sociais hoje permitem uma relação direta entre marca e público. No online e no offline {dando aulas de culinária Brasil afora}, Alana se aproxima de quem se interessa por seu posicionamento, o que fortalece cada vez mais sua imagem como referência da área.

OFERTA DE CONTEÚDO
Se você quer vender – produto, serviço ou imagem pessoal –, é preciso antes oferecer algo que comprove seu posicionamento, atraia público e passe confiança em sua marca. Por essa razão, a produção de conteúdo online é pré-requisito fundamental. A custo zero, em um blog e/ou rede social, um profissional compartilha conhecimento, cativa clientes em potencial e fortalece sua imagem. Antes de vender aulas e livros, Alana divide todo seu repertório de especialista no veganismo. O aumento do desejo em seus produtos é consequência direta.

No mais, paciência e tempo ao tempo! Uma marca não se constrói em duas semanas e ter consistência e persistência é fundamental. Insista, insista, insista, sempre com todas as partes da estratégia sendo atendidas. Branding não é uma ciência exata e, por isso, é impossível dizer quanto tempo leva para um posicionamento dar resultados, mas imagine algo em torno de dois anos em média para efeitos mais perceptíveis.


VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

Estudo de blog: o caso de sucesso do Finanças Femininas

3 de abril de 2016

Quando se fala a expressão “blog de sucesso”, muita gente ainda pensa naquele formato específico de looks do dia, no qual a dona da página exibe sua rotina e suas peças de roupas e, em troca, é (bem) remunerada para vestir marcas e fazer presença em eventos. Sim, é inegável que este modelo de negócios é o responsável por muitos casos de sucesso na internet, sabemos disso, mas, ao mesmo tempo, é fato que estamos falando de uma possibilidade nada democrática e de um mercado saturadíssimo. A rede, ainda bem, oferece diversas outras chances de estabelecer uma marca online e faturar com ela. E o blog Finanças Femininas, que hoje alcança ótimos números e sustenta uma empresa com equipe, serviços e faturamento, é a prova de que sempre é possível se construir algo relevante na rede.

Finanças Femininas

Resumidamente, a história do blog: Carol Ruhman Sandler, fundadora e responsável pelo Finanças Femininas, tirou proveito da força de um nicho específico quando lançou seu blog – o primeiro voltado para a vida financeira das mulheres. A internet já estava de certa forma saturada e havia um padrão de cases de sucesso, basicamente com blogs autorais de moda e estilo de vida. Carol não foi na fórmula óbvia, ao contrário. Fez uma página informativa e, na paralela, fortaleceu pouco a pouco a sua marca. Segue sendo um blog de nicho, que não tem milhões de seguidores nas redes sociais, mas tem engajamento bastante significativo. O resultado? O Finanças Femininas já se transformou em livro, ganhou espaço no portal UOL, empresta a marca para cursos e serviços e tem contratos com grandes empresas. Na paralela, Carol se firma como uma das mais requistadas palestrantes de sua área e, na semana passada, foi destaque do TEDx SP. Alguma dúvida de que é um case de sucesso?!

Carol Ruhman Sandler TEDx
Foto TEDxSP: Vera Cotti Caminada

Cinco dicas que funcionaram no projeto Finanças Femininas e podem ajudar o seu modelo de negócios online…

1) Definir o nicho; especifique o máximo que puder
O nicho, palavra número um em todos os posts sobre branding por aqui, também é o segredo do sucesso de um projeto online. Lembre-se sempre que quanto mais específico é seu foco de posicionamento maiores as chances de você se tornar um expert, referência naquela área.

2) Divulgando sem spam!
Ao lançar sua página, Carol procurava blogs e sites de diferentes tamanhos para se oferecer como colaboradora voluntária. Em troca de textos inéditos para cada uma destas urls, ela recebia o link para o Finanças e ganhava uma espécie de vitrine para sua marca – os links, além de divulgarem seu site, serviam como ajuda no SEO, que é o que define o melhor posicionamento de uma página no Google (algo importantíssimo especialmente para quem está começando na rede).

3) O networking: online e offline
Fazer contatos, construir comunidade com leitores e participar de projetos colaborativos online e offline são estratégias simples (muitas vezes esquecidas) para estabelecer uma voz na rede. E é quando se estabelece essa voz que todo o resto vem como consequência.

4) Jamais esquecer do modelo de negócios
Entrar no WordPress, escrever dois posts, fotografar cinco looks do dia, sentar e esperar as marcas correrem atrás de você para depositar dígitos e mais dígitos em sua conta bancária simplesmente porque você existe é, de fato, um desejo delicioso. Mas, infelizmente, é uma utopia – mais ainda nos tempos atuais, em que o boom dos blogs de estilo pessoal já passou. Se você quer ganhar dinheiro na internet, precisa pensar em maneiras de fazê-lo: o que você pode compartilhar? No que você se destaca? Como sua marca online pode se transformar em produtos e serviços reais? É desta maneira que um blog age como vitrine para um faturamento real.

5) Investir e reinvestir
Qualquer negócio pede investimento. Os projetos online não são diferentes. Da capacitação e formação do blogueiro até melhorias no design e no modelo de negócios, você deve pensar no blog como algo que deve estar em constante evolução. Não há retorno de outra forma, se especialize e especialize seu projeto continuamente.

AG Branding Dica-Blog

EXTRA: PRÉ-LANÇAMENTO MENTORIA DICA-BLOG
Como foi adiantado no Facebook na última semana, a AG Branding lança seu primeiro serviço voltado para blogueiros. A Mentoria Dica-Blog é uma consultoria em pequenas turmas (de no máximo 12 participantes), que se divide em três partes: workshop de branding (posicionamento) para blogueiros; orientação sobre técnicas que melhoram a audiência e, finalmente, pequenas análises individuais dos blogs dos participantes, com dicas simples do que pode ser feito já para melhorar o posicionamento e aumentar a audiência! A primeira edição é na tarde da quinta-feira, dia14.04, e as inscrições podem ser feitas neste link, que tem também todos os detalhes sobre a programação {investimento: R$ 450, pode ser parcelado em até 10 vezes via Sympla}.


VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…