blog
amo branding

Branding nas marcas IntoTheGloss & Glossier: sucesso na internet

26 de fevereiro de 2015

{Atenção! Por falar nas quintas de branding, no próximo dia 5 (quinta-feira da semana que vem), terá a 4ª edição do meu workshop AG Branding (vagas esgotadas!) em São Paulo. Receberei mais 50 participantes para conversar sobre nicho, excelência, branding pessoal, erros e cases e sucesso, tudo com dicas práticas, simples e prontas para entrarem na programação de qualquer pequena empresa. Quem vem também?!}

Emily Weiss não foi pioneira no mercado de beleza na internet. Tampouco começou sua trajetória online antes do boom dos blogs – fato que ajudou muita gente a se consolidar entre os maiores. Ao contrário de boa parte dos blogueiros bem-sucedidos, não iniciou o negócio despretensiosamente nem tem aquela história de “era uma vez um hobby que cresceu por acaso”. Mas, ainda assim, seu IntoTheGloss.com se mostra um modelo de negócios perfeito.

O blog de beleza, lançado em setembro de 2010, cresceu em progressão geométrica, virou referência mundial da área (é o blog que mais influencia compras, segundo o ranking Signature9) e se estendeu para um negócio de gente grande: a marca Glossier, de produtos de beauté, foi lançada meses atrás e acaba de receber uma injeção de capital de US$ 10 milhões. Emily, o nome por trás disso tudo, entrou para a lista de empreendedores-destaque na Forbes americana e, no último domingo, palestrou sobre criação de marca na Harvard Business School. Muitas estratégias de branding explicam o sucesso e observar suas escolhas pode ser inspiração para qualquer negócio online, de blogs a marcas que queiram se valer do poder da rede como vitrine e/ou ferramente de divulgação e comunidade.
p.s. nota da blogueira: Emily é uma das minhas grandes inspirações (já deu pra notar?!)!

case into the gloss

NICHO: O NOVO DENTRO DO JÁ CONHECIDO
Quando o IntoTheGloss surgiu na internet, o mercado de blogs de beleza se resumia basicamente em páginas com reviews de produtos e páginas super pessoais com as indicações e escolhas da blogueira que assinava – muitas vezes, a página reunia estas duas questões. Emily surgiu com o conceito novo de mostrar as prateleiras de beleza de influenciadoras, numa espécie de nicho dentro do nicho, com textos grandes e aquele quê de voyeur que todo mundo ama. Em muitas entrevistas, ela afirma que criou o que gostaria de ler e não encontrava na internet até então – criar o produto que você deseja ter costuma ser uma das primeiras lições do empreendedorismo de sucesso!

ESTÉTICA: IMAGEM IMPECÁVEL
Desde o dia zero, a questão da estética do blog é irrepreensível: o design é limpo e as fotos, simples e perfeitas. O amadorismo nunca teve lugar em uma única imagem postada. Mais vale perder um pouco da rapidez perecível da noticia da internet e não abrir mão de ser referência também de padrão estético (muita gente se fideliza ao veículo porque quer ver imagens lindas e inspiradoras).

DIFERENCIAL: ESTILO DE ESCRITA
Muitos diziam a Emily que na internet não há espaço para textos longos. Ela seguiu seu feeling, que incluía uma marca-registrada de posts extensos, bem-escritos, autênticos, coerentes (com o conceito principal) e de leitura gostosa. Ao lado das fotos lindas e do design simples, os textos de muitos parágrafos são, mais do que aprovados, esperados por seus leitores – que reconhecem a distância o estilo autoral da produção de conteúdo do ITG, quase uma patente informal (um conceito forte e autoral, vocês sabem, se torna uma patente à prova de cópias e faz com que o criador assuma o papel de dono daquele formato).

EXCELÊNCIA: DETALHES DA TECNOLOGIA
Se o business tem a internet como endereço principal, não há a menor possibilidade de ignorar a questão funcional: sites lentos e de navegação ruim afastam leitores. Limpeza e correção na programação (sites cujo campo de busca não funciona são um tiro no pé), uma busca incansável pela perfeição em cada detalhe e foco na linha menos é mais se tornam imprescindíveis se as metas são ousadas. Demonstrar profissionalismo do começo a fim é o que torna seu negócio realmente profissional.

DIFERENCIAÇÃO: UM NOVO ASPECTO COMERCIAL
Era uma vez um formato quase único para ganhar dinheiro com blogs: participar de programas de afiliados (algo super forte nos EUA), assinar publiposts avulsos ou fazer presença vip em eventos. Emily pensou fora da caixa e cada vez mais encontra outros modelos de monetizar o trabalho (com a Glossier e/ou com parcerias mais extensas com marcas grandes, na qual atua mais como porta-voz), sem perder a isenção dos temas do blog. Nota-se que não há publis avulsos nem muito menos divulgação de ideias que não combinam com o blog. Em resumo: eles pensam fora da caixa e definem, em conjunto, o que é mais real e provável. {Veja quem também tem pensado fora da caixa e conseguido trabalhos que vão muito além do publi óbvio}

No mais, é importante ter paixão, ter propósito (Emily queria oferecer uma nova maneira de mostrar conteúdo de beleza), ter organização coerente, ter credibilidade. São estes fatores, lado a lado com a excelência de todos os tópicos acima, que transformam leitores/consumidores em verdadeiros entusiastas da marca. Entusiastas estes que fazem as vezes de divulgadores e consultores. Trate-os com carinho, eles valem ouro!

Emily Weiss ALlure


VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

Meta 2015: três dicas para fortalecer sua marca

29 de janeiro de 2015

Começo de ano a gente sempre planeja mais, se esforça mais, se empolga mais e lista todas aquelas metas que desejamos alcançar nos próximos doze meses, certo? Pois se seu lado profissional está em destaque pedindo atenção especial nesta lista o post amo-branding desta quinta-feira é pra você!

Não importa se você é um empreendedor criando – ou continuando – seu próprio negócio, se é um blogueiro que quer transformar o hobby em business ou um profissional liberal que quer fugir da disputa insana da concorrência por preços: todos, absolutamente todos precisam criar uma marca para si. E quando digo criar a marca não me refiro somente a um nome, um logo nem muito menos um CNPJ. O grande lance é o posicionamento, a comunicação e a diferenciação dentro do seu mercado (é esse o tal branding que eu tanto falo, afinal!).

dicas para fortalecer sua marca

* Encontre a marca que vai fortalecer – você sabe exatamente o que vende? Para quem? Por que e com que objetivo? Encontrar seu nicho exatoquanto mais específico melhor – e entender de que forma seu negócio se diferencia dentro deste universo escolhido é ponto principal na construção. Parece óbvio, mas muita gente esquece: não se consegue comunicar aquilo que não se sabe ao certo!

* Faça um relatório (quanto mais completo melhor!) – colocar no papel ajuda a organizar as ideias, traz o cérebro para jogar no seu time (#neurociência) e guia seus esforços na direção exata das suas metas prioritárias. Estabeleça padrões, modelos, lista de afazeres e objetivos necessários, tudo em total harmonia e coerência com o item acima. Nicho e relatório andam de mãos dadas.

* Hora da arrumação – sabe aquele conceito da ‘baixa no armário’, em que se desapega sem dó de itens de um modo que os outros apareçam e sejam melhor usados? É por aí. Para criar uma marca e estabelecer um bom posicionamento, muitas vezes (todas, talvez!) precisamos abrir mão de outros conceitos, de outros posicionamentos. Elimine serviços, produtos, atributos de comunicação e qualquer outra coisa que não se encaixe 100% no modelo pretendido. Sem apego! Você precisa abrir espaço para sua nova e incrível marca…!

Para mais dicas e papos específicos sobre o assunto, vem aí a quarta edição do workshop AG Branding, que rola no dia 5 de março em São Paulo. As inscrições começam ainda nesta quinta (29.01) – todos os detalhes logo mais, às 17h, aqui mesmo no blog!


VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

Para empreendedores: a importância da inovação incremental

18 de dezembro de 2014

Se você está em busca de um novo negócio – seja uma marca, um blog ou uma empresa de qualquer área –, pode ter, em algum momento, empacado em uma impressão de limitação: como inovar e criar algo de fato diferente, algo que nunca tenha sido criado? Ou, falando mais especificamente de branding, como posicionar minha marca com um conceito único e autoral?

inovação incremental

Não, não dá pra fazer o que já está sendo feito, da mesma maneira que é feito, no exato formato que faz sucesso sob outra direção. Se seu negócio for um exato copy and paste de algo que já existe (e que já é conhecido e já tem público), por que exatamente alguém consumiria o seu? Muito importante dizer que, sim, o mercado de genéricos existe em todas as áreas, de remédios a itens de luxo, mas ele se sustenta única e exclusivamente por uma vantagem de preço – e, por conta disso, pede grande escala para fechar a conta. Se este não é o seu caso, criar e posicionar a marca será fundamental para garantir clientela e preferência.

Voltando à ideia de criar algo novo: não é pessimismo dizer que tudo já foi feito. E que resta muito pouco espaço – se é que resta algum – para inventar um conceito 100% inédito e revolucionário. A boa notícia? Inovação incremental, guarde este conceito!
{definição: não inventa nada do zero, mas sim melhora processos e tecnologias já existentes, criando um produto ou serviço único}

Se encha de repertório, veja tudo que estão fazendo de mais bacana, use as técnicas de benchmarking (em didatiquês, algo como buscar o melhor de várias fontes distintas e juntar em uma só ideia). E, principalmente, veja o que estão fazendo de ruim, o que merece correções, o que tem espaço para melhorias. Coloque tudo isso no liquidificador, adicione um toque seu-só-seu e pronto: você terá um negócio que faz sentido, que tem espaço no mercado atual e que provavelmente tem demanda. Sem precisar ter a ideia mais inovadora do planeta!
importante: incremente de fato! O maior erro de alguns empreendedores é achar que o seu igual é melhor simplesmente por ser seu. Não esqueça que o concorrente pioneiro tem tempo, clientela e o próprio pioneirismo como vantagens. Para se sobressair é importante ter sua própria marca-registrada, essa sempre única e insubstituível!

RCUA

p.s. um livro que amo e que fala sobre estes conceitos de roubar e aprimorar ideias (de uma forma honesta e leal!) é o Roube Como Um Artistafalei sobre ele neste post.

imagem: Sprengben [why not get a friend] via photopin cc


VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…