blog
amo branding

Como contratar influenciadores reais para sua marca

2 de fevereiro de 2017

O papel dos influenciadores digitais é, em 2017, conhecido e reconhecido. Donos de marcas já entendem a importância desta mídia tão nova, mas, ao mesmo tempo, tão certeira na hora de divulgar suas empresas e produtos. Mas quem vê número de seguidores não (necessariamente) vê engajamento real e é aí que mora o perigo! Para que uma ação tenha resultado – em vendas ou em conhecimento de marca – é preciso ter em mente que nem todos os números são de fato reais. Como contratar influenciadores sem errar nem ter efeitos aquém do esperado?

como contratar influenciadores

Nos workshops AG Branding para Blogueiros, é sempre explicada a importância de ter seguidores reais, em números que crescem organicamente. A tentação de colecionar muitos Ks existe e está por toda parte; abrir mão das inúmeras “propostas irrecusáveis” de aumentar seu alcance às vezes te faz parecer o único que vai ficar para trás em relação a seus concorrentes.

followers

Perfis de todos os tipos do instagram recebem estas propostas semanalmente; os nomes dos vendedores foram apagados para não compartilhar suas identidades, pois se há a demanda não há como culpar a oferta – e cada um tem livre arbítrio para decidir o que julga melhor para suas compras e vendas (o post NÃO faz um julgamento de valor, apenas expõe o funcionamento digital para ajudar a quem precisa tomar decisões e medir expectativas de resultados!).

Hoje há, inclusive, muitas empresas que maquiam a venda de seguidores chamando de “divulgação de perfil” ou prometendo “seguidores reais” e existem casos de pessoas que compram sem nem saber que estavam fazendo algo errado. Mas se você, influenciador, caiu nessa, a recomendação é que até recomece do zero. Programinhas que aumentam números, pacotes de likes e esquemas de follow-unfollow já são claramente identificados por quem é da área e sua marca acaba ficando prejudicada. O único crescimento autêntico é o orgânico. Mas o post hoje é voltado para as marcas que desejam contratar influenciadores – e em como elas podem identificar números irreais*.

* Por números irreais, entenda que existem perfis fake criados apenas para inflar números de contas. São geralmente criados de forma automática e não há, então, pessoas por trás deles. São apenas números – e números não curtem, não comentam, não consomem. Por essa razão, se diz que são irreais, já que não representam um alcance real!

PROPORÇÃO SEGUIDORES X ENGAJAMENTO
A primeira maneira de identificar seguidores era observando a proporção entre eles e o número de likes em cada foto. A média mínima é de 1% de engajamento – o que significa que uma conta com 10k terá cerca de 100 likes por imagem postada. Há variações: claro que algumas imagens podem não alcançar essa média, mas elas serão uma exceção e não uma regra – da mesma forma que outras postagens poderão ter engajamento proporcional bem acima do 1% mínimo. Este é o primeiro ponto ao se analisar um perfil.

OS PACOTES DE LIKES (VAZIOS)
Como a relação seguidores X likes se tornou conhecida, o próximo passo das empresas de “assessoria para instagram” foi incluir pacotes de likes em seus produtos automatizados. Sim, isso signfica que a cada foto postada há a garantia de curtidas mínimas. Esse pacote é facilmente notado quando você clica na lista dos perfis que curtiram: muitos estrangeiros, vários com @s em códigos, todos visivelmente nomes que não fariam parte do grupo de interessados reais naquela postagem (pela descrição, pode parecer algo subjetivo, mas é bem fácil de identificar). Em boa parte das vezes, o pacote de curtidas sobe de uma só vez, fazendo com que perfis não tão grandes acumulem em minutos algumas centenas de likes – o que seria incompatível organicamente. Engajamento hoje deve observar comentários (embora infelizmente até estes já estejam disponíveis para venda e/ou esquema de trocas em grupos).

pacotes de likes

FOLLOW-UNFOLLOW
Uma técnica bastante usada por programas que automatizam os números é seguir milhares (literalmente) de perfis, geralmente na madrugada, para conseguir a contrapartida – o famoso “segue de volta”. Por isso, vale observar se a lista de contas seguidas acumula muitas dezenas de milhares de perfis e/ou se segue muitas pessoas como as citadas na imagem acima, sem nenhuma ligação aparente com o interesse real da @. Outra maneira fácil de identificar é a variação constante: numa noite o perfil segue 500 contas; na manhã seguinte está seguindo 3k; mais adiante, retorna a seguir 1k. Toda e qualquer variação que parece impossível de ser feita por um humano geralmente é efeito de automatização.

seguindo
que tal seguir 212k perfis?!

INFLUENCIADORES DE NICHO
Por fim, um tópico que não tem ligação com os esquemas de números automatizados, mas que também deve ser levado em conta pelas empresas ao escolher representantes digitais: um perfil de 5k pode dar muito mais resultado que um de 500k em alguns casos. Como?! Imagine que o anunciante é um pet shop do bairro X. O perfil de 5k tem conteúdo voltado apenas para dicas daquela região, enquanto que o de 500k fala de assuntos que o trazem seguidores espalhados por todo o Brasil. Dessa forma, entende-se que 100% da audiência do perfil 5k é formada por consumidores em potencial do tal pet shop, porcentagem infinitamente superior a do perfil 500k. Principalmente se sua empresa é de nicho – por região, por mercado, por público-alvo – e pequena/média, isso deve ser levado em conta!

Mais uma vez vale resssaltar que este post não faz julgamento a quem opta por comprar – ou vender – números. Todos os negócios existem porque há demanda e oferta e o mercado é verdadeiro culpado, pois induziu a isso quando passou a medir influenciadores meramente por seu número exibido de seguidores. O foco deste texto é ajudar a empresas menores, que nem sempre conhecem os mecanismos digitais, a investirem em parcerias que de fato venham a trazer os resultados esperados.


VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

Dez mandamentos do posicionamento de marca neste ano novo

29 de dezembro de 2016

Posicionar, reposicionar ou fortalecer sua marca: um destes três objetivos certamente faz parte da sua lista de metas 2017 se você está agora aqui lendo este post. Pois bem, a lista – inspirada em casos reais vistos neste ano – relaciona um monte de errinhos que podem acontecer no branding de uma pessoa ou empresa sem que ela se dê conta.

Nesta nova temporada, se você deseja uma marca realmente forte, faça o exercício diário de estar sempre atento a estas questões que, vez por outra, tiram pontos valiosos de negócios super promissores.

mandamentos do posicionamento de marca
imagem Resoluções de Ano Novo via Shutterstock

* Não deixarás as pessoas sem resposta em redes sociais, mensagens ou emails.

* Não dificultarás para quem deseja comprar o seu produto – postura inacessível, falta de atendimento, pouco caso com a necessidade do cliente e aquele datado “se fazer de difícil” estão entre as ações proibidas na hora da venda!

* Não baterás boca nem serás grosseiro com cliente – seja ao vivo, seja em redes sociais. Ok, nem sempre o cliente tem razão, mas contar até dez é (sempre) preciso.

* Não trararás seus preços como o 4º “segredo de Fátima”, ocultando-o ou tratando como algo que só se revela depois de seis meses de relacionamento!

* Não entregarás um produto em condições inadequadas (como sacola rasgada ou usada, por exemplo). A marca é comunicada nos detalhes e a atenção estética é parte – importante – do processo.

* Não farás diferença de tratamento entre famosos e pessoas comuns (de que adianta ter o cliente famoso que influenciará outras pessoas se estas, ao chegarem lá, serão mal atendidas?). Qualquer consumidor é VIP e deve ser tratado como tal, repita esta frase diariamente.

* Não faltarás com o que foi acordado – o que inclui respeito ao horário e/ou prazo de entrega, por exemplo.

* Não dispensarás a importância de uma “casa virtual”, que sirva de vitrine para sua marca – blog e/ou site institucional.

* Não usarás nenhum tipo de spam para suas comunicações fixas – uma promoção via Whatsapp só pode ser enviada se o cliente aceitou ter seu número incluído nesta lista de envios.

* Não ignorarás o poder do cobranding – parcerias com outras marcas que tenham sintonia com a sua deixam todos os envolvidos mais fortes!

 

 

 

Última temporada de Workshops AG Branding: na próxima segunda (2.01), começam as inscrições para a última edição dos módulos Branding para Empreendedores (14.02), Branding Pessoal (15.02) e Branding para Blogueiros (16.02) – poucas vagas em novo formato! Garanta sua participação no link sympla.com.br/agbranding.


VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

Retrospectiva Instagram: nove dicas de branding do ano!

14 de dezembro de 2016

Mais ativo canal digital da AG Branding, o instagram @amobranding teve 258 postagens em 2016 – uma média de um post por dia útil do ano. Em formato de pílulas rápidas, são compartilhados desde meados de 2015 cases, dicas, frases e imagens que nos ajudam a entender didaticamente o universo do posicionamento de marca. E no meio de quase três centenas de publicações, nove se destacaram neste ano. A apuração é do #2016bestnine, site que mostra quais postagens tiveram maior engajamento no período. E um passeio por elas mostra nove dicas de branding que sempre ajudam…

amobranding dicas de branding

1º) Seja a pessoa que você diz ser nas redes sociais: coerência e consistência são pilares do branding pessoal; postar um personagem não é uma marca que se sustenta – edite-se, mas seja honesto e transparente.

2º) Esvaziar a mala para preencher com coisas novas, o rebranding: se um modelo de negócios ou posicionamento de marca não representa mais o que deseja comunicar, rasgue o papel sem medo e recomece.

3º) Não diga no Twitter o que você não diria no escritório: as redes sociais são poderosas – e observadas – vitrines de marca pessoal. Seja sempre cuidadoso com o que de si será colocado nestas prateleiras.

4º) Os nichos abandonados na internet: focar é o primeiro passo para uma marca bem-sucedida. E no universo digital ainda há muitos espaços a serem preenchidos, enquanto uma maioria se debate para atingir a massa. Lembre-se sempre que quanto maior uma audiência menor tende a ser seu engajamento – a verdadeira unidade de valor dos dias atuais. Foco!

5º) Vestir-se bem é fortalecer sua imagem de marca pessoal: não é superficialidade, todo mundo tem uma primeira impressão baseada na questão visual. Adequação é a palavra-chave, sempre.

6º) Gisele e sua marca focada na excelência: o vídeo com trecho de uma entrevista da supermodelo mostra o segredo do sucesso de sua marca pessoal – fazer sempre o melhor, surpreender, se comprometer com o serviço perfeito.

7º) A troca de ideias que gera mais ideias: compartilhar, trocar figurinhas, dividir o que sabe… esse networking sempre traz repertório extra para sua própria marca.

8º) O rebranding de Mariah Bernardes: um novo stylist, um novo corte de cabelo e uma semana de moda em NY foram a fórmula da blogueira para lançar sua nova marca pessoal.

9º) Não espere, comece hoje sua nova marca: é preciso dar o pontapé inicial sem aguardar a suposta hora exata – o famoso “comece onde você está com o que você tem!”.

Para conferir essas e outras postagens, siga o instagram @amobranding!


VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…